fábula antiga…

fábula antiga

no principio do mundo o Amor não era cego;
via mesmo através da escuridão cerrada
com pupilas de Lynce em olhos de Morcego.

mas um dia, brincando, a Demência, irritada,
num ímpeto de fúria, os seus olhos vazou;
foi a Demência logo às feras condemnada.

mas Júpiter, sorrindo, a pena commutou.
a Demência ficou apenas obrigada
a acompanhar o Amor, visto que ella o cegou,

como um pobre que leva um cego pela estrada.
unidos, desde então, por invisiveis laços,
quando o Amor emprehende a mais simples jornada,
vae a Demência adeante a conduzir-lhe os passos.

(António Feijó)

Uma opinião sobre “fábula antiga…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s