“Eu sou sereia do mar”

A sereia e o pescador
Balata

Bernardo Guimarães

C’est la sirene,
Qui va chanter
La cantilene,
Qui fait aimer.

Sereia
Viver aqui eu não posso
Nem no vale, nem na serra;
Eu não sou filha da terra,
Eu sou sereia do mar.
Correi, ondas, brandamente,
Correi, vinde me buscar.

Nasci no seio das vagas,
Numa gruta de cristal;
Em colunas de coral
O meu berço se embalou.
Ondas, levai-me convosco,
Que eu desta terra não sou.

O amor criou-me entre pérolas
Sobre fúlgidas areias,
Mago canto de sereias
Meus sonos acalentou.
Ondas, levai-me convosco,
Que eu também sereia sou.

Eu não sou filha da terra,
Vivo triste nestas plagas;
Embalada sobre as vagas,
Só no mar quero viver.
Correi, vinde, ó minhas ondas.
A meus pés vinde gemer,

No regaço cristalino
Brandamente me tomai;
Aos palácios de meu pai
Vinde, vinde me levar.
Correi, ondas, pressurosas,
Levai a filha do mar.

E se alguém na terra ingrata
Sentindo loucos amores,
Meus encantos e favores
Insensato desejar,
Em torno a mim, bravas ondas,
Vinde em fúria rebentar.

Em solitário rochedo,
Batido pelas tormentas,
Ide, ó ondas turbulentas,
Ide longe me ocultar.
Rugindo ali noite e dia,
Guardai a filha do mar.

Sentada ao pé de um rochedo,
Com os pés na branca areia,
Assim cantava a sereia
A linda filha do mar.
E a onda mansa, gemendo,
Os pés lhe vinha beijar.

Pescador, que além vogava,
No seu batel escondido,
Absorto prestava ouvido
A tão saudoso cantar,
E a vela e o remo esquecia
Ouvindo a filha do mar.

III

PESCADOR

Não mais lamentes
Em tom magoado
Teu triste fado,
Filha do mar.

Vem a meu barco,
Nos braços meus
Aos lares teus
Te irei levar.

De novo os belos
Paços reais,
Entre os cristais
Irás saudar,

E sobre as finas,
Fulvas areias,
Entre as sereias
Irás cantar.

Embora sejam
Teus ermos lares
Entre os algares
Do fundo mar.

Sejam embora
Negro alcantil,
Que monstros mil
‘Stão a guardar,

Onde as tormentas
Sempre batendo,
Com ronco horrendo
Vão rebentar.

Irei, se queres,
Agora mesmo,
Sem medo, a esmo
Te acompanhar.

Meu barco é leve,
Meu braço é forte,
E a própria morte
Sabe afrontar.

Só peço em paga
Da doce lida
Passar a vida
A te adorar,

E a teus joelhos
Sempre prostrado
Teu rosto amado
A contemplar.

Oh! vem comigo,
Vem pressurosa,
Vem, ó formosa
Filha do mar.

IV

Calou-se o barqueiro amante;
Mas depois ouviu, tremendo,
Um canto, que mais ao longe,
Mais ao longe foi morrendo.
A cantar e a fugir
A sereia ia dizendo:

SEREIA

Eu sou pérola das vagas,
Que não sei, nem quero amar;
O meu peito é como a rocha,
Onde em vão esbarra o mar.
Mancebo, vai noutra parte
Teus amores suspirar.

Do que existe sobre a terra
Nada me pode agradar;
Só amo a Deus nas alturas,
E a liberdade no mar.
Mancebo, vai noutra parte
Teus amores suspirar.

V

Desta canção fugitiva
Os ecos ainda duravam,
E nas praias suspiravam
Entre os bramidos do mar;
E o pescador entre angústias
Sentia o peito estalar.

PESCADOR

Por que foges, branca fada
De formosura sem par?
Por que me escondes teu brilho,
Formosa estrela do mar?…
Ronca em torno a tempestade.
Meu barco vai soçobrar.

Só tu podes no meu peito
Uma esperança plantar;
E as tormentas, que me cercam,
Com tua luz aplacar.
Nestes medonhos abismos
Nao me deixes soçobrar.
Ferve o mar, o céu em chamas

Vem abismos aclarar;
Nestas águas desastrosas
Vai meu barco soçobrar.
Vem salvar-me por piedade,
Formosa estrela do mar.

VI

Longos dias se passaram;
Ninguém mais ouviu cantar
A linda filha das águas
Nem na praia, nem no mar.
E vivia o pescador
Triste e só a definhar.

Se ousava nas ermas praias
Seu queixoso canto alçar,
Só ouvia longe, longe
Uma voz a lhe bradar:
“Mancebo, vai noutra parte
Teus amores suspirar.”

VII

Passaram mais dias, meses;
já cansado de pensar
O pescador sem
barco soltou ao mar.
Ei-lo sem norte e sem rumo
Nas ondas a resvalar.

Ei-lo que vai mar em fora.
Nas ondas do mar bravio
Seu amor louco e sombrio
Quer consigo sepultar.
Contra uma rocha empinada
Vai seu barco espedaçar.

Mas eis soa-lhe aos ouvidos
Voz celeste e maviosa,
Em toada lamentosa
Tristes coplas a cantar.
Aos acentos suspirosos
Cala a brisa, e geme o mar.

VIII

SEREIA

Sou moça e sou formosa;
Dos mares sou princesa;
Em graças e beleza
Jamais achei igual.
E vivo aqui sozinha,
Ai céus! para meu mal.

E vivo aqui sozinha
No seio de esplendores;
Ninguém quer meus amores
Ninguém me vem buscar.
E eu sou a mais formosa
Das filhas deste mar.

E eu sou a mais formosa
E a mais alva açucena,
Que sobre a onda serena
Balança o airoso hastil.
Mas nesta solidão
Que serve ser gentil?

Mas nesta solidão
Ninguém vem consolar-me;
E sempre a lastimar-me
Aqui morrerei só.
Ai triste de mim! triste!
Ninguém de mim tem dó.

IX

Ouvindo a canção chorosa
O barqueiro estremeceu,
E entregue a seus devaneios
O leme e a vela esqueceu
E com olhar desvairado
O horizonte percorreu.

Nem no mar, nem no rochedo
Vulto humano percebeu
E esta frase piedosa
Pelos lábios lhe tremeu:
“Esta triste, que assim chora,
É infeliz, como eu.”

Depois firme e resoluto
Em pé na proa se ergueu,
E para às alheias mágoas
Juntar o queixume seu
Alçando a voz sobre as vagas
Desta sorte respondeu:

X

PESCADOR

Por entre as ondas bravias,
De mil tormentas batido,
Em busca de um bem perdido
Voga, voga, ó batel meu.
Voga!…um dia saberemos
Onde a ingrata se escondeu.

Houve um dia, uma sereia…
Oh! que linda ela não era!…
Porém tão ingrata e fera,
Que de amor me enlouqueceu.
Dizei, nuas penedias,
Onde a ingrata se escondeu.

Ela deixou-me, – a cruel! –
Entregue a negros pesares,
Lastimando sobre os mares
O triste destino meu.
Dizei-me, ó ondas sonoras,
Se ela de mim se esqueceu

Se nas asas do tufão
Devassando o mar profundo
Na raia extrema do mundo
A meus olhos se escondeu,
Neste barco aventureiro.
Lá mesmo voarei eu.

Se entre monstros marinhos
Lá no mais fundo dos mares,
Em cristalinos algares
Se oculta o retiro seu,
Em meu amor confiado
Lá também descerei eu.

Se entre rochas malditas,
Entre grossos vagalhões,
Defendidos por dragões
Seus palácios escondeu,
Mil mortes desafiando
Lá mesmo chegarei eu.

Por entre as ondas bravias
De mil tormentas batido
Em busca de um bem perdido
Voga, voga, ó batei meu.
Voga!…um dia saberemos,
Onde a ingrata se escondeu.

XI

SEREIA

Nestas praias solitárias
Que procuras, pescador?…
Vens buscar pérola finas,
E corais de alto valor?…
Se tais tesouros desejas,
Voga além, ó pescador.

Que estrela por estes mares
Te conduz, o pescador?…
Queres ser nauta valente,
Deste mares ser o senhor?…
Se tal ambição te ocupa
Passa além, ó pescador.

Os mistérios saber queres
Desta ilha, ó pescador?…
E deste asilo os segredos
Aos olhos do mundo expor?
Se é esse o desejo teu,
Vai-te embora, ó pescador.

Mas se perigos insanos
Afrontando sem pavor,
Nesta ilha solitária
Tu vens procurar amor
A meus braços sem detença,
Corre, voa, ó pescador.

XII

Na base da penedia
O vulto branco surdiu
De uma donzela formosa
Como igual nunca se viu.
Para lá o pescador
O barco seu impeliu.

Saltando na branca areia
Aos pés da bela caiu;
Mas ela com brando riso
Meigas frases proferiu,
Beijou-lhe a fronte incendida
E os alvos braços lhe abriu

O batel abandonado
No pego se submergiu,
E o ditoso par amante
Entre rochas se sumiu,
E por aquelas paragens
Nunca mais ninguém os viu.

Às vezes por horas mortas,
Pelas noites de luar
Ao largo vê-se um barquinho
Solitário a velejar.
Quem vai dentro não se sabe
Nem se vê ninguém remar.

Apenas ouve-se um canto,
Tão triste, que faz chorar;
E os pescadores, que o ouvem,
Começam logo a rezar,
Dizendo consigo: é ela,
É ela, a filha do mar!

Anúncios

“Vês a estrela reluzir?”

A cismadora
Bernardo Guimarães

Sedutora moreninha,
Que à tardinha
Vens pousar nessa janela,
Em que cismas tão calada,
Debruçada,
Com a mão na face bela?…

Os raios do sol poente
Docemente
Beijam-te a fronte mimosa:
E em teus sonhos engolfada
Descuidada
Nem sabes quanto és formosa.

O cabelo em longos fios
Luzidios
Pelos ombros te serpeia:
E os contornos do semblante
Deslumbrante
De leves sombras ondeia.

E quando assim apareces,
Me pareces
A estrela crepuscular,
Entre nuvens escoando
Clarão brando,
Que de amor nos faz cismar.

Quando cismas à tardinha
Tão sozinha,
O que vês lá no horizonte?
O que assim teus olhos prende,
E te pende
A donosa e pura fronte?

Acaso na flor da idade
Da saudade
Sentes já o agro pungir?
Ou nos sonhos de criança
Da esperança
Vês a estrela reluzir?

Que sopro te verga o colo
Para o solo,
Flor apenas entreaberta,
E faz pelos horizontes,
Sobre os montes,
Vaguear-te a vista incerta?

De algum anjo, teu irmão,
A canção
Estás ouvindo nos céus?
Ou do éden as campinas
Descortinas
Da tarde por entre os véus?

Do primeiro amor no enleio
Já teu seio
Acaso sentes arfar?…
E sofres n’alma o império
De um mistério
Que não sabes decifrar?

Ah! se nessa cisma vaga,
Que te afaga,
Minha imagem perpassasse…
Se no pobre bardo amante
Um instante
Tua idéia repousasse…

Se a mim fora reservado
Pelo fado
Levantar o casto véu,
E de amor as chamas puras,
E as venturas
Relevar-te, anjo do céu…

Mas não; — em tal não pensemos,
E deixemos
O anjo envolto em seus sonhos;
São leves nuvens, que passam,
Que esvoaçam
Em seus céus sempre risonhos.

São da inocência a fragãncia,
Que na infância
D’alma pura se evapora;
Aroma, que pelos vales
Verte o cálix
Do lírio ao raiar da aurora.

Sim, deixemos a alma bela
Da donzela
Em seus sonhos embebida;
É perfume da existência,
Pura essência,
Que embalsama o albor da vida.

Também a rola inocente,
Quando sente
A noite que se avizinha,
Arqueia o colo plumoso,
E em repouso
N’asa esconde a cabecinha.

Agosto de 1869.

“Esta rede é encantada”

Minha rede
Bernardo Guimarães

CANÇÃO
Minha rede preguiçosa
Amorosa,
Em teu seio me embalança;
Quero ler nos céus risonhos
Doces sonhos
De ventura e de esperança.

Neste lânguido deleixo
Correr deixo
Minha vida descuidosa,
Contemplando ali defronte
No horizonte
Uma nuvem cor-de-rosa.

Pelo vão dessa janela,
Pura e bela,
Eu a vejo deslizar;
Pelo campo etéreo voga
Qual piroga
Cortando o cerúleo mar.

Linda nuvem, quem me dera
Pela esfera
Em teus ombros ir boiando,
E pairando sobre os montes,
Horizontes
Infinitos devassando!

Veria da minha terra
A alta serra,
Que há tanto tempo deixei;
E veria na janela
A donzela
Por quem tanto suspirei.

E os lares de minha infância,
Em distância
Pelo menos eu veria,
E as campinas, os ribeiros,
E os coqueiros,
A cuja sombra dormia…

(…)

Se penso nos meus amores,
Entre flores
Me sorri doce esperança:
E entre sonhos cor-de-rosa,
Amorosa,
Minha rede me embalança.

Os pesares, os queixumes,
Os ciúmes
Com horror dela se arredam;
Só prazeres sorridores,
Só amores
Em suas malhas se enredam.

Meus amigos, em mim crede:
Esta rede
Foi um presente divino;
Esta rede é encantada;
Uma fada
Me a deu em troco de um hino.

Minha rede sonolenta,
Vai mais lenta,
Vai-me agora embalançando;
Enquanto o suave sono
De teu dono
Sobre os olhos vem baixando.

Rio, abril de 1864