na república…

catarinense de desterro (florianópolis, ou floripa, como querem alguns), luis delfino nasceu em 1834 e morreu no rio de janeiro em 1910. médico, foi senador da república por santa catarina. embora tenha escrito muitos poemas, jamais publicou um livro em vida. sua assinatura é uma métrica perfeita (quase sempre) e a mulher amada. nesse caso, vamos fugir um pouco desse tema e trazê-lo da atividade política, já que suas palavras são, sem dúvida, atualissimas. na república prova isto.

queres saber o que anda de verdade
neste nosso país, e de ano em ano?
nosso país, Helena, eu não profano,
mas o brasil não sente a liberdade.

bárbaro é o povo, espuma de outra idade;
há vão orgulho num republicano:
nos chefes mesmo há gestos de um tirano,
e de um césar a cega fatuidade.

Helena, te direi, por mais que pense,
estou numa república insensata:
meu tipo à grécia de Platão pertence.

quisera, esbelta e linda aristocrata,
ao pé de mim o artista ateniense,
moldando o ouro, e num Deus dando alma à prata.

(Luis Delfino)

Anúncios