que País é esse?

Anúncios

“Uma louca tempestade”

Uma Louca Tempestade
Ana Carolina

Eu quero uma lua plena,
Eu quero sentir a noite,
Eu quero olhar as luzes
Que teus olhos não me têm deixado ver…
Agora eu vou viver

Eu quero sair de manhã,
Eu quero seguir a estrela,
Eu quero sentir o vento
Pela pele um pensamento me fará…
Uma louca tempestade

Eu quero ser uma tarde gris,
Quero que a chuva corra sobre o rio.
O rio que por ruas corre em mim,
As águas que me querem levar tão longe…
Tão longe que me façam esquecer de ti

Eu quero partir de manhã,
Eu quero seguir a estrela,
Eu quero sentir o vento
Pela pele um pensamento me fará…
Uma louca tempestade

Eu quero uma lua plena,
Eu quero sentir a noite,
Eu quero olhar as luzes
Que teus olhos não me têm deixado ver…
Agora eu vou viver

Eu quero ser uma tarde gris,
Quero que a chuva corra sobre o rio.
O rio que por ruas corre em mim,
As águas que me querem levar tão longe…
Tão longe que me façam esquecer de ti
Tão longe que me façam esquecer de ti

“Eu quero te roubar pra mim”

Encostar Na Tua
Ana Carolina

Eu quero te roubar pra mim
Eu que não sei pedir nada
Meu caminho é meio perdido
Mas que perder seja o melhor destino

Agora não vou mais mudar
Minha procura por si só
Já era o que eu queria achar

Quando você chama meu nome
Eu que também não sei aonde estou
Pra mim que tudo era saudade
Agora seja lá o que for

Eu só quero saber em qual rua
Minha vida vai encostar na tua

Que saiba que forte eu sei chegar
Mesmo se eu perder o rumo
Mas saiba que forte eu sei chegar
Se for preciso eu sumo

Eu só quero saber em qual rua
Minha vida vai encostar na tua

“às vezes ajo com candura pra te conquistar.”

Garganta
Ana Carolina

Minha garganta estranha quando não te vejo
me vem um desejo doido de gritar.

Minha garganta arranha a tinta e os azulejos
do teu quarto, da cozinha, da sala de estar.

Venho madrugada perturbar teu sono
como um cão sem dono me ponho a ladrar.

Atravesso o travesseiro, te reviro pelo avesso,
tua cabeça enlouqueço, faço ela rodar.

Sei que não sou santa, as vezes vou na cara dura,
às vezes ajo com candura pra te conquistar.

Mas não sou beata, me criei na rua,
e não mudo minha postura só pra te agradar.

Mas não sou beata, me criei na ruína
Não mudo minha postura só pra te agradar.

Vim parar nessa cidade, por força da circunstância,
sou assim desde criança, me criei meio sem lar.
Aprendi a me virar sozinha
e se eu tô te dando linha é pra depois te..
Aprendi a me virar sozinha…
e se eu tô te dando linha é pra depois te abandonar.